Código na unha!

Às vezes, sinto-me muito velha. Todo dia encontro meninos nos fóruns e orkuts da vida que sabem tudo dos X’s da Web e têm no máximo vinte e cinco anos. Estou com trinta, meu amigo. Sou uma balzaquiana legítima! Trabalho só com websites desde 1997. E, no início, era apenas o Notepad.

Depois vieram o Homesite, o Hotdog, e outros aplicativos fuleiros catados no Tucows. O primeiro editor WYSWYG que conheci foi o Netscape Composer que vinha junto com o Navigator 2.0. O navegador era o melhor da época, mas o editor era sofrível. Nada ficava onde eu gostaria que ficasse. E foi assim com as versões paleolíticas do MS FrontPage e do Macromedia Dreamweaver. Eu queria controle e eles não podiam me oferecer.

Deste modo, em todos estes anos nesta indústria vital, sempre fui feliz com o meu editor de código na unha e me recusei a usar qualquer WYSWYG. Por mais que dezenas de colegas tentassem me convencer das maravilhas destes programas, de como fica rápido e tudo mais, nada me valeu mais do que meu velho Homesite. Aliás, quando a Macromedia comprou a Allaire, muito se quesítionou sobre o fim do código na unha. Mas a balzaquiana ainda está aqui, viu? Firme e forte com o meu Homesite 5.5. E isso não vai mudar tão cedo devido a algumas tendências.

  • Ainda não descobri ferramenta mais eficiente do que um editor tipo Notepad para trabalhar com publicadores de conteúdo mais complexos. Trabalhamos com pequenos trechos de códigos, desconectados de links para CSS e do restante do layout da página.
  • Com cada vez mais páginas sendo produzidas de acordo com os Web Standards, o código está ficando mais simples e mais fácil de ser visualizado e manipulado.
  • Os WYSWYG parecem estar sempre um pouco atrasados em relação ? s tendências de desenvolvimento para Web. Agora mesmo estou trabalhando em um projeto com XML e XSL e o Dreamweaver não está preparado para lidar com estas "novas tecnologias" de uma forma mais amigável.

Veja bem, não digo que o WYSWYG tem que morrer. Cada um escolhe sua ferramenta de acordo com suas necessidades e sua capacidade de adaptação a elas. Tem gente que gosta de Adobe Illustrator e outros de CorelDraw!. Para mim, que conheço os dois mas não trabalho diariamente com eles, os dois fazem a mesma coisa do mesmo modo. Mas para os heavy users é outro papo. Mesmo um mesmo software pode ser tão complexo que há diversas formas de trabalho, como o AutoCad, por exemplo. Aliás, o que seria do amarelo se todos gostassem de azul? 8;)

Obs.: este post foi inspirado também em outra pancadaria que está rolando na comunidade Webdesigner Brasil do Orkut. Desta vez, é no tópico sobre Notepad.

Por | Alterado em 02/07/04 às 17:07

Comentários

  1. Diego Eis disse:

    é!
    Gosto é que nem umbigo, cada um tem o seu.
    Eu gosto muito de EditPlus e HTML-Kit, ambos tem FTP.
    Nos primórdios (97,98) usava HomeSite. Usei dreamweaver durante um tempo, mas depois parei, muito complicado, monstro, e tudo mais.

    Pelo que ouvi falar dele, hoje ele está mais complacente com os padrões e tudo mais, mas acho que não iria me acostumar! :-)

  2. TaQ disse:

    Se um dia vocês forem pro Linux, experimentem o Vim (editor de textos). é um saco no começo, mas quando pega o jeito, não tem quem segura. Tem vários plugins legais lá que são uma mão-na-roda. :-)

    Tem um port dele pro Windows, se quiserem dar uma olhada está em http://vim.sourceforge.net.

    é como eu sempre digo: a “massinha primordial” para programação, para mim, é um editor de texto e um compilador (ou interpretador, no caso dos browsers ;-). Nada contra quem usa IDEs, mas fico aqui com o meu editorzinho. :-)

    []‘s

  3. André M. disse:

    Velha e balzaquiana aos 30 anos? Nossa… se for assim, então eu, com meus 37 devo ser um matusalém gagá… hehehe. Bem, eu comecei com o Front Page, logo depois o Dreamweaver 2 e daí fui para o MX, mas agora, ao experimentar os layouts sem tabela e tudo o mais, me dei conta de que não dá, simplesmente para ficar usando o Dreamweaver. Acho mais fácil fazer na mão mesmo. Acho o HTML-Kit legal, mas queria um que fosse Open Source para Windows e ainda não achei um como eu quero. Já no Linux tem duas opções além do Vim (vou experimentar, TaQ) que são o BlueFish e o Quanta Plus, este último sendo superior ao outro. Que pena que não tenha Quanta Plus para Windows…

    Abraços idosos,
    André

  4. Ruth Mezeck disse:

    Oi menina,
    que inveja de você! Então vc viu um PARANGOLé ao vivo e a cores! Felizarda!
    Tô pesquisando o assunto e vim dar nesses costados aqui.
    Prabens pelo blog Voltarei.

  5. Felipe disse:

    Isso aqui definitivamente é um blog de programadores.

    Acho que estou no lugar errado.

    Notepad??? Ah Dá um tempo!

  6. spark disse:

    Só para completar o exemplo do Corel e do Illustrator: ambos fazem praticamente a mesma coisa, mas experimente dar saída para impressão com as cores separadas, e verá a diferença de qualidade a olho nu.

    Sobre HomeSite/DW , quando comecei (93), só tinha o notepad mesmo, mas quando apareceram Netscape Editor, DW , essas coisas, aderi rapidamente, pois me confundo fácil com tabelas complexas.

    Ultimamente com esses novos padrões , realmente meu código tem se simplificado mais e mais.. e o DW não é lá muito fiel. Usar a Janela em modo Split é legal, mas o editor de código do DW é extreeeemamente lento… Fui perdendo a paciência… Hoje em dia, começo o código no DW , e termino num HomeSite, mesmo…

  7. s1møne disse:

    Ainda bem que este blog está atraindo também os programadores e não somente os designers. Quanto mais diversificado forem os colaboradores do blog, mais informações, mais pontos de vista diferente. Só temos a lucrar.

    O que não pode é ser ofensivo e preconceituoso comigo e com os outros leitores. Não tenho dó algum em apertar o botão de excluir comentários.

    []s a todos os leitores

  8. Antonio Izidro disse:

    Oi Simone, isso sim é um bom local, que comunidade que nada :)
    Lendo ai sobre fazer o código na unha, estou contigo … passei por vários até cair na simplicidade do Notepad.

    Recentemente na lista do WD, um companheiro (Jonas) deu um toque sobre um bom editor de códiogo aberto que eles estão desenvolvendo, fui dar uma fuçada no site e adorei, estou usando ele aqui … ele é tão simples quanto o notepad, possui bons atalhos para design e programação de forma geral, vale a pena conferir: http://notes.codigolivre.org.br/ fora isso ele é 100% nacional :)

  9. Ertz Porfirio disse:

    Vcs conhecem o PSPad? é um editor de texto do tipo TextPad, só que gratuito. Comecei a usar na semana passada e estou gostando. Ainda nao esbarrei em nenhuma barreira ao mexer nos códigos.

    O TextPad está disponível em: http://www.textpad.com/

    E o PSPad (gratuito) está em: http://www.pspad.com/

    Acho que vale fazer um teste com ele. Eu to gostando!!!!

  10. Luc disse:

    Prefiro o meio termo. Não suporto editores WYSIWYG, mas Notepad também já é franciscano demais. Gosto de editor de texto, mas com recursos que agilizam como templates e macros. Também gosto de sintaxe colorida, que me ajuda a enxergar melhor.

    Eu uso sempre o UltraEdit.

  11. Alexandre disse:

    Código na Unha, bem escrito e organizado. Sem tags inúteis nem atributos redundantes.
    Vc perde um pouco mais de tempo na construção mas compensa muito na manutenção.

    Um bom editor de códigos é sem dúvida o ULTRAEDIT. O danado tem diversas funções que facilitam a vida e ainda abre além de textos, todo o tipo de arquivo binário.

  12. Anônimo disse:

    Puxa, a cada minuto que navego nesta página, fico mais impressionado com vc. Li a matéria do Webinsider, bom, críticas sobre estereótipos sempre vai ter, inevitavelmente, a humanidade evolui sem corrigir seus velhos defeitos, apenas cria novos, e “aprimora os antigos” (essa foi péssima…).
    Bom, bela balzaquiana, eu não sei nem o que é HTML, mas, se o que vc chama de “na unha”, é programar como nas antigas, digitação pura (mas não tanto, né?), nesse ponto somos parecidos.
    Sabe, coincidentemente, tinha visto aquela “matéria” sobre o “banheiro fumê” e fiquei pensando como seria usar aquilo… situação real, mesmo… é meio esquisito, porque, apesar das pessoas não nos verem (em tese), ainda há o problema dos sons (flatulências etc)… será que eles tem sistemas de absorção de ruídos… imagine um banheiro daqueles em Israel ou Iraque, ou, sei lá, NY… o elemento tá lá, no maior sufoco, e, de repente, revolta de taxistas estrangeiros, novo crack da bolsa, executivos caindo aos baldes dos edifícios, greve dos entregadores de pizza (todos brasileiros, paulistas do Brás), pedradas pra tudo quanto é lado… e o cara lá dentro, despreocupado, e, de repente… crash! os vidros vão abaixo… bom, exemplo muito non sense…
    Voltando ao assunto, gostei bastante do seu trabalho, pois ele é realmente reflexo daquilo que eu já incuti na mente sobre vc: perfeito, moderno, enxuto, inteligente… bjin

  13. Psychokiller disse:

    Por quê meu nick não saiu? Bom, otro bjin…

Faça um comentário

*