Melhor um dólar na mão

Deu no Boing Boing: O novo livro de Harry Porter, de JK Rowling, já foi devidamente escaneado e já é figurinha fácil nas redes de bit torrents. Menos de 24 horas depois de chegar às livrarias, “Harry Potter and the half-blood prince” foi digitalizado usando um programa de reconhecimento de caracteres (OCR) e disponibilizado em PDF. O incrível feito foi mais birra do que qualquer outra coisa mesmo. Tudo porque Rowling determinou que não houvesse venda de e-books da série por medo da pirataria. Quando será que finalmente os micropagamentos se tornarão uma prática comum?

Os micropagamentos são uma forma de fazer pequenas transações financeiras on line. Pagamentos de menos de dez dólares não são muito vantajosos para instituições financeiras e mesmo para o grande varejo, mas são perfeitos para as pequenas doações. Imagine você mesmo doando um trocado seu ao clicar no botão do The Hunger Site. Simples assim como esperar para ver um banner de uma empresa colaboradora da ONG.

Mas será que é mesmo viável manter um webservice com doações de vinte e cinco centavos de usuários felizes? O Fotolog.net, apesar de entupir a interface de anúncios, ainda incentiva os gold cameras para ajudar a pagar as contas. O Audioscrobbler deixa o campo valor em aberto para o usuário contribuir com o que pode em troca de algumas bobagens a mais na interface. E eles continuam ativos! O Gravatar, que pede uma colaboração mensal de dez dólares (!), vive caindo.

Pense então no que pode ser feito em termos de venda de músicas, e-books, locação de vídeos, conteúdo especializado etc. Serviços e produtos reais podem sim escapar na cultura da pirataria para se tornar um negócio lucrativo através justamente dos micropagamentos. Basta haver várias iniciativas espalhadas por aí para criar a cultura da pequena colaboração.

Esta é uma boa solução mesmo para o mercado brasileiro, onde somos conhecidos por não querer pagar pelo que pode se ter de graça. Afinal, vender camisetas com ilustrações do seu livro ou vender banners para a Microsoft não é para iniciantes. E receber o dinheiro do Google AdSense pode ser um tormento. Melhor esquecer as grandes ambições! Será que não é bem mais difícil arrancar trinta reais de um usuário do que um real de dez?

Mais sobre micropagamentos:

Por | Alterado em 19/07/05 às 16:07

Comentários

  1. Diego Eis disse:

    Muito, muito interessante.
    Fez eu me tocar sobre algumas coisas.

  2. Eu me interesso bastante por este tema. E já acho que possuimos iniciativas práticas, tais como o Paypal, o Bit Pass e no Brasil o Pagamento Online. O que falta, concordo com você, é a cultura.

Faça um comentário

*