Três motivos para usar (ou não) os comentários do Facebook em seu site

Fui surpreendida pelas mudanças no Big Picture, a página de galerias fotojornalísticas do site do jornal do Boston Globe. A partir de agora, o usuário contribuir nesta seção somente através do widget de comentários do Facebook. Os motivos para esta mudança foram descritos desta forma:

Facebook é ubiquo; possui mais de 500 milhões de usuários ativos, 70% deles não são dos Estados Unidos. Está disponível em 70 idiomas. Era a melhor ferramenta que pudemos encontrar para servir a audiência mundial de fãs do Big Picture.
[referência]

O Facebook pode estar presente em diversos países e em diversas plataformas, mas será mesmo que as redes sociais significam o fim dos sites da Web como conhecemos? Questionei há um ano que o fim estaria nos aplicativos, um pouco antes de um famoso artigo na Wired afirmar que estava de fato nas redes. Há algumas empresas abrindo mão de desenvolvimento de sites tradicionais para criar e manter fan pages, mas esta sempre foi uma decisão de marketing baseado na estratégia do produto ou serviço e não uma decisão técnica.

Além disso, Facebook faz parte de uma nova leva de empresas favorecidas por um investimento maciço que vai na contra-mão da recessão europeia, americana e japonesa. Não precisamos ir muito longe para temer que esta é uma bolha que eventualmente pode explodir com consequências imprevisíveis. Mais que isso: sabemos que há um ciclo de vida entre nas plataformas digitais.

Por outro lado, quem disse que seu site vai durar mais que o Facebook? Devemos estar preparados para surfar em cada grande onda da internet?

Os comentaristas possuem a opção de compartilhar seus comentários no site com seus amigos no Facebook, que poderão ser apresentados às fantátiscas fotografias do Big Picture.

Neste ponto, não resta dúvidas para ninguém. As redes sociais hoje são responsáveis por grande parte do tráfego na maior parte dos site e blogs que conhecemos. É provável que estas fontes devem passar os mecanismos de busca em número de acessos.

A qualidade dos comentários deve melhorar com as pessoas usando seus nomes verdadeiros.

Aqui temos uma premissa falsa ou um falha em definir “qualidade em comentários”. Boa parte dos comentários destas fotogalerias são tão resumidas quanto um “curti”, e um “curti” em diversos idiomas. Se antes os usuários temiam em comentar em seu idioma local, agora não há motivo para tanto. A quantidade de comentários certamente cresce. E a qualidade do debate melhora junto?

O que você acha?

Por | Alterado em 04/06/11 às 11:06

Comentários

  1. A obrigação de identificação num comentário acaba formando uma barreira que pode até ser positiva: ninguém se dá ao trabalho de se identificar pra simplesmente escrever um “curti”, como você observou. Eu também tenho observado isso, como é muito fácil de se comentar, acabam se gerando mais comentários com melhor qualidade.

    Por outro lado, pra quem está fazendo uma campanha ou tem um produto em que o maior objetivo é gerar buzz, e não uma discussão, então essa opção é muito válida. Para seu blog, por exemplo, não acredito que os comentários do Facebook agregariam muito valor, contudo, habilitar a possibilidade de se identificar com sua conta do Twitter, Google ou do próprio Facebook seria bastante bem-vinda.

    Parabéns pelo bom trabalho.

  2. Raíne Santana disse:

    A palavra certa para denominar os usuários atuais é “preguiça”. Os sites acabam disponibilizando formas do usuário interagir com o sistema através do facebook pois é mais cômodo do que pedir ao usuário que ele precise novamente se cadastrar, confirmar cadastro e ai sim usar o sistema de verdade.
    Como integração com as redes sociais tornaram-se essenciais, nós desenvolvedores temos que adequar nossos sites. Sem saída! Mas isso não impede que algum dia as redes deixem de ser tão populares.
    Muito bom o post!

Faça um comentário

*