Domínios .br com acentos e cedilha

Saiu resolução do Registro.br sobre uso de IDNA em domínios brasileiros. Segue um trecho do release:

A partir de 9/5/2005, o serviço de registro passará a aceitar registro de nomes de domínios com os caracteres permitidos na língua portuguesa (vogais acentuadas e o cedilha exclusivamente). Este serviço utiliza a tecnologia IDNA para domínios internacionais em aplicações.

[…]

Na interface de consultas whois, estes domínios aparecerão com a versão IDNA e, logo em seguida, na versão ACE. Os servidores DNS deverão ser configurados com o nome de domínio em ACE.

Como exemplo:
IDNA: pãoemaçã.com.br
EQUI: paoemaca.com.br
ACE: xn--poema-9qae5a.com.br

Em uma consulta ao whois:
whois pãoemaçã.com.br

domain: pãoemaçã.com.br xn--poema-9qae5a.com.br

[…]

» anúncio completo no Registro.br

Se você ou sua empresa possua algum domínio com equivalente acentuado, prepare-se para registrar logo para evitar dor de cabeça depois. O Registro.br diz que irá priorizar os donos de domínios com nomes equivalentes, mas nunca se sabe. Se você não tiver domínio nenhum e é um mero usuário da rede, fique atento a partir de agora.

Saiba o que é homographic spoofing em alguns links no Lextext.

Abre o olho, meu povo!

O Governo Federal, através da posição firme do presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, Sérgio Amadeu, fez jogo duro com a política de adoção de softwares livres no programa “PC Conectado”. Foi uma perda e tanto para Microsoft, que deste modo dificilmente irá fazer algum lucro com o Windows XP Starter Edition, mesmo com a ajuda dos itautecs e ponto-frios da vida. Tanto que Bill Gates teve que sair correndo atrás do presidente Lula em Davos, prometendo altas caridades. Tudo em vão.

No entanto, um pior revés aguarda a empresa de Redmond. Está em estudo uma resolução do governo de substituir todos os programas proprietários por GPL em todas as instâncias do governo brasileiro, desde que haja similar já disponível no mercado [*]. Se os custos com programas importados chegam US$ 6,4 bilhões anuais no país, imagine qual parte disso vem de somente de licensas MS Windows e MS Office no setor público? Seria um bom prejuízo a curto prazo. Mais que isso, um precedente maravilhoso para outros países emergentes e para os da União Européia.

Claro que a Microsoft, que já está envolvendo o governo norte-americano nisso, está tirando a mão do bolso. Veja esta nota de hoje no Blue Bus:

Deputados brasileiros na mao do Bill Gates

A Microsoft está apostando seus dolares num investimento de retorno certo – os deputados e senadores brasileiros. Deve pretender usa-los como obedientes marionetes contra a politica do software livre do Governo Lula, leia abaixo (obrigado, Marcello).

Cerca de 30 senadores e deputados brasileiros participam hoje e amanha em Washington de um forum para líderes de governo. Foram convidados pela Microsoft. A empresa está pagando integralmente as despesas de alguns, outros conseguiram descontos especiais, mas todos terao direito a transporte terrestre e alimençao, segundo denunciou na semana passada materia publicada em O Globo no feriado de Tiradentes, com pouca repercussao. A lista de convidados inclui nomes do PT, PFL e PSDB. O presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, autorizou a viagem. As faltas serao justificadas. De acordo com o jornal, os convidados assistirao palestras e debates com Bill Gates e com o ex Secretário de Estado dos EUA Colin Powell. Deus tenha piedade de nós.

» Veja a nota no Blue Bus

Esta é uma oportunidade histórica de fazer algo pelo bem público, não só no Brasil mas em todo o mundo. Nós que temos alguma formação e informação sobre o assunto, temos a obrigação moral de nos mobilizar e cobrar dos deputados uma posição firme diante do monopólio que as grandes empresas de software tentam impôr. Não se trata de discurso anti-capitalismo ou pró-Lula. É sobrevivência. Se queremos um mercado melhor no Brasil, com mais empregos em tecnologia e melhores salários, temos que escolher as lutas certas.

Estamos de olho, seu Bill!

[*] Li esta informação na capa da edição impressa do Valor Econômico de 22/04/2004. Se alguém tiver aí o texto do site do Valor, mande por favor. Segue um trecho (Obrigada, André!):

Governo vai obrigar órgãos públicos a usar softwares livres

…Depois de tentar por dois anos convencer os órgãos públicos a migrarem para o software livre, o governo planeja agora dar um passo ousado e polêmico: obrigar todas as repartições públicas federais a a…

Descrição: Jornal Impresso – 22/04/2005 00:00

Tags: ,

Tableless na Webdesign

Já está nas bancas a edição 16 da revista Webdesign. A matéria de capa é sobre o desenvolvimento com a metodologia tableless. Colaborei com a matéria juntamente com o Diego Eis e Elcio Ferreira, do site Tableless. A matéria vai bem mais fundo e vê alguns aspectos dos padrões Web e acessibilidade. Corra até seu jornaleiro favorito e peça a sua!

XML e as possibilidades para o usuário comum

Hoje me empolguei! Esqueci por alguns momentos que estou trabalhando há vários dias sem parar e achei disposição para fazer alguns testes no blog. Semanas atrás instalei o plug-in GetXML para Movable Type para colocar alguns links do del.icio.us. Não satisfeita, publiquei logo uma página inteira para todos os links. Acabei fazendo o mesmo para o blogroll. O que antes era apenas um link para o Bloglines e um download de um arquivo OPML, agora é conteúdo de verdade.

Página 19 de 57« Primeira...10...1718192021...304050...Última »