O que você precisa saber sobre HTML5

HTML5 está sendo discutido por todo lado. Natural. É a grande novidade da década no desenvolvimento para a Web. Depois de anos de indas e vindas com o XHTML2, W3C se uniu aos dissidentes do WHATWG para continuar desenvolvendo a especificação do HTML.

As maravilhosas oportunidades do HTML5 você pode ver no HTML5 Demos and Examples, no HTML5 Gallery ou no HTML5 Watch. Mas o que de fato você precisa saber antes de tomar uma decisão em aplicar este tipo de documento ao seu projeto?

Código mais frouxo

Nos últimos anos, a obsessão pelo código válido e bem formado nos fez esquecer o princípio do HTML: qualquer um pode escrever documentos e publicá-los na Web. Para quem trabalha com CSS e JavaScript, esta obsessão tem uma razão de ser. Qualquer trecho mal formado pode criar problemas de renderização indecifráveis. Nesta nova especificação, voltamos a não obrigatoriedade de fechar tags do HTML 4.

Além disso, o HTML5 permite tags escritas em caixa alta ou baixa. Quem tem TOC terá problemas em trabalhar com um código colaborativo ou legado.

Não há plugin de validação de código

Esta é uma meia verdade. Existe uma opção no Web Developer para exibição da validação da página que cobre o HTML5. O problema é navegar em outras páginas durante o trabalho. Tudo fica extremamente lento. E também há este plugin para Firefox que joga para o html5.validator.nu, o que é totalmente inútil se você estiver trabalhando localmente. E se você estiver com algum tempo livre sobrando, pode também instalar o validator.nu no seu ambiente local e usar o plugin do 456 Berea Street. Não tenho uma teoria de o porquê de não termos um bom plugin para validação ainda.

É de verdade ou é de brincadeirinha?

Qualquer aplicação ou site já desenvolvido pode ser passado integralmente para HTML5 sem dano. Basta mudar declaração do tipo de documento e validar a página para corrigir alguns detalhes. Mas o ideal é verificar quais são as novas tags disponíveis para a organização de um documento e treinar novas aplicações em diversos tipos de documento. Aqui vale um estudo mais cuidadoso dos modelos de conteúdo (ou content models). Aí está algo que nunca demos muita importância no passado principalmente depois das “verdades absolutas” proclamadas pelos evangelistas de SEO sobre o peso de cada elemento dentro de um documento e a relevância destes conteúdos para os mecanismos de busca.

E funciona no Internet Explorer?

Sim, HTML5 funciona no Internet Explorer com um JavaScript para habilitar as tags específicas. Mas não se preocupe: HTML5 está nos planos da Microsoft para o IE 10. Veja mais sobre este script no HTML5 Doctor.

De qualquer forma…

Todo desenvolvedor deve aprender HTML5. Nunca sabemos quando será o próximo projeto e quais serão seus requisitos básicos. E esta nova especificação não é difícil. Tenha em mente apenas que a semântica está mais presente e tem um papel mais fundamental do que nas versões anteriores. E este sempre foi o calcanhar de Aquiles do desenvolvimento para a Web.

Lembre-se sempre: HTML5 é mais do que as maravilhosas tags que permitem conteúdo rico em dispositivos móveis da Apple. ;)

Veja mais sobre este assunto:

Aprenda HTML5:

E você tem alguma consideração sobre o desenvolvimento em HTML5?

Tags:

O progresso feito na marra

Nas últimas semanas, lovemarks de tecnologia andam anunciando produtos e serviços que entram em conflitos com outras marcas:

  1. YouTube lança uma versão HTML5 do site que dispensa o uso do plugin Flash Player (via Mashable). O player ainda funciona em poucas versões de navegadores e tem alguns bugs, mas já funciona.
  2. Apple anuncia o iPad que, assim como iPhone e o iPod Touch, não possui suporte ao Flash. Dias depois, Steve Jobs afirma em entrevista que a Adobe é uma empresa preguiçosa. Não sem razão. A versão do Flash para MacOsX causa mais travamentos do que na do Windows.
  3. Google suspende o suporte ao Microsoft Internet Explorer 6 (no Computerworld), A medida também vale para Firefox 2, Safari 2 e Chrome 3. A isso se junta a campanha forte nos últimos meses para matar o IE6 liderada pela própria Microsoft. Não sabemos o estrago que as estações de trabalho que ainda rodam XP por causa disso estão fazendo às vendas do Windows 7. Além disso, governos europeus passaram recomendar o uso de navegadores alternativos depois da invasão de contas de ativistas chineses graças a uma brecha de segurança no IE.

A Web vive de ondas rápidas. Muitos poucos sites conseguem fidelização de seus usuários que duram anos. A exceção são os serviços – como provedores de acesso e de webmail – e os portais que provém este serviço. Nos últimos anos, algumas redes sociais conseguiram isso com sucesso em alguns mercados, como o Orkut no Brasil e o Friendster nas Filipinas.

O irônico, é que a plataforma que sustenta este mercado volátil é praticamente o mesmo há dez anos. Fora algumas iniciativas da comunidades, como a adoção maciça do CSS para estrutura e dos frameworks JS, não houve evolução significativa no desenvolvimento para a Web.

Em desenvolvimento server-side, o mercado se dividiu entre JavaMicrosoft .Net e PHP. Alguns desenvolvedores tem migrado para Ruby, outra linguagem dos idos de 1990. Para aplicações ricas, temos o Adobe Flash, que domina o mercado desde 1996, apesar de outras iniciativas como o Silverlight. Além disso, o Flash Player está instalado em 99% dos computadores, sendo uma alternativa mais viável para a publicação de vídeos em sites como o YouTube e o Vimeo e matando o mercado do Quicktime, do Real Player e do Windows Media Player.

O HTML5, juntamente com o CSS 3, é uma especificação ansiosamente aguardada pelos desenvolvedores por causa dos seus inúmeros recursos, mas também é uma demanda das empresas de vanguarda. A nova fronteira é móvel, onde MacOsX e Android evoluem rapidamente para se manter competitivas. Veja este vídeo sobre o Motorola Milestone, onde a plataforma de desenvolvimento se tornou um argumento de venda.

O que vem por aí é excitante. Todos sabem disso. E se for necessário bater forte em um adversário, Apple e Google não se intimidarão. Para nós, profissionais da Web, tudo o que resta é se manter atualizado com as boas práticas e com as novas especificações mantendo os dois pés bem firmes na terra.

Leia mais:

Tags: , ,